_____________________________________Adicione aos favoritos _______________________________________________________________________ Clique aqui ! . . . . . . . . . . . . . .

Amizade, um amor que não vicia

Por @_mulherde40 .


Por Flávio Gikovate - Médico Psiquiatra - Revista Cláudia, dezembro de 1994.
"O amor corresponde às sensações de paz, harmonia e completude que sentimos ao lado de outra pessoa. É alguém especial, escolhido segundo critérios de admiração (e outros que nem sempre compreendemos), e que se transforma na figura substituta da mãe, nosso primeiro amor. Do amor adulto esperamos coisas muito parecidas com as que esperávamos de nossa mãe. O amado terá de estar presente nos momentos de aflição, nos dar segurança, atenuar nosso desamparo. Em resumo, terá que preencher nosso “buraco”.
A única novidade é que a isso se acrescenta o sexo, nova fonte de inseguranças, ciúmes e incertezas. Ou seja: a relação torna-se mais possessiva e exclusivista do que era a da criança com a mãe. O vocabulário romântico é indicativo disso: chamamos de “benzinho”, “lindinho” – e em tom de voz idêntico ao que usamos para falar com crianças. Aliás, se os bebês falassem, também diriam à mãe: “Você é maravilhosa”, “Sem você eu não viveria” etc.

0 comentários:

Postar um comentário

 
____________________________________________________________